25 de abr de 2011

Incoerente


Subindo o morro, esquentando ao sol
Diante do destino manipulado
Contemplando e falando da vida
Enquanto ingenuamente é observado.

O céu cheio de estrelas sob a grama molhada
Ações que não condizem com os fatos
Álcool para rosar a face
E a pressa que entre as pernas late.

Um pulmão suando na terra
De frente ao bambuzal balança
Buscando fôlego enquanto vive,
Mas viverá ou será uma lembrança?

O céu cheio de estrelas acolhe teu cansaço
Te afaga o peito enquanto dorme
Observa a diferença que te acontece
Pois viverá, mas também será lembrança.


4 comentários:

Janaína da Cunha disse...

Minha linda amiga poeta.
Só poderia sair algo tão belo de sua alma que busca e rebusca inspiração em tudo que vê e sente.
Sua amizade é um presente dos deuses da arte.
Beijos doces!!
Jana.

Bruna Jardim disse...

Jana, sua amizade também faz parte da minha inspiração. A culpa é sua!

Janaína da Cunha disse...

rsrsrsrs...
Amigas são para essas coisas... nos momentos de alegria, nos momentos de dor...
Ainda mais quando essas amigas são duas poetas que garimpam sentimentos e emoções.
Conte comigo sempre!

Bruna Jardim disse...

Evoé!