18 de jul de 2010

Breve conto de domingo

Estranho pensar que o tempo benefia muitas coisas e estraga outras.
Por exemplo, há alguns anos era tão caro para alguns comprar livros, CDs ou mesmo filmes originais, e hoje que esses produtos se tornaram mais baratos por conta da mídia, internet, MP3, globalização, pirataria poucas pessoas compram os originais tão sonhados.
Na minha adolescência, sonhava com coisas que não podia ter. Hoje faça questão de ter todos os livros e filmes e CDs que puder ter originais, não existem mais motivos para xerocar um livro se posso tê-lo por quase o mesmo preço da Xerox, ou mesmo copiar um CD ou um DVD pelo mesmo motivo (na maioria dos casos). Eu pensava que quando esses produtos se tornassem mais baratos os artistas teriam mais sucesso nas vendas, pois tornariam seu trabalho mais próximo dos fãs. E, no entanto não foi o que aconteceu. Hoje em dia os shows custam o dobro do que deveria, foi o inverso dos CDs e DVDs, pelo mesmo motivo. As pessoas querem sempre que tudo seja mais fácil e mais fácil cada vez mais. Não importa se um filme original por mais que você goste custe R$ 12,90 em uma loja de conveniência, se você pode comprá-lo por R$ 10,00 e ganha dois outros de brinde no vendedor ambulante mais próximo. E também não importa que você possa comprar o trabalho de um músico que levou um ano inteiro compondo músicas (ou comprando os direitos autorais para usá-la), criando arranjos, melodias, ensaiando com uma banda, tendo desgaste e desentendimentos normais de pessoas que passam muito tempo juntas para agradar um público alvo ou vários, e manter o próprio sustento se você pode resumir tudo isso e baixá-lo em MP3. Respeito que as pessoas tenham opiniões diferentes. Pra mim, funciona assim: copio um filme para ver quando tenho tempo depois o compro quando tenho oportunidade. Baixo um disco de uma banda que não conheço para passar a conhecer o trabalho daquela banda quando gosto logo quero ter aquele CD para ter o prazer de sentir o cheiro de um CD novo e vislumbrar seu encarte, descobrir o “rosto” daquela música. Por coincidência acabei de ver um filme e estou ouvindo um CD que aconteceu assim. Sei também que alguns artistas fizeram sucesso graças à informalidade da internet ou da pirataria. É justo! É justo também que as pessoas que conheceram o artista dessa forma passem a dar valor ao trabalho original, já que tantas pessoas fazem questão de serem original e contribuem com a pirataria. Após terminar de ver o filme fui ver a entrevista com o diretor e o Making Off do filme, é maravilhoso ver que muitas pessoas trabalharam duro para termos 95 minutos de prazer. A juventude de hoje da valor a coisas muito diferentes e talvez eu pareça velha ou saudosista falando disso, mas tenho que defender minha opinião.