11 de mai de 2011

Cidade



Estou sentindo frio,
Mas não o frio do inverno,
É aquele que sinto quando suas mãos
Ficam longe da minha pele
Por mais de um momento.

Fecho os olhos deitada e lembro
Dos arrepios que senti com o toque
Úmido da sua língua varrendo meus
Pelos pelo corpo a fora.

Minhas pernas que tremiam de desejo
Agora tremem de saudade,
Do peso e força que me invadia
Como um “Cavalo de Tróia”.

Abri os olhos assustada e fechei satisfeita
Quando pela primeira vez
Senti sua pela nua e quente
E seus braços me seguravam para não fugir
E eu nem queria.

Sua língua roçava minha nuca
Enquanto minhas mãos tentavam
Se agarrar no lençol que já não forrava mais a cama
E escorregavam por ela
Quando me vencia pela força.

Cai entre suas pernas
Como a corsa no leito de um rio
Após a corrida, tentando matar a sede
Insaciável que tem a jovem
Fiz de ti o vinho que me embriagou
Na primeira noite apreciada.

Nem lembro o que usava
Toda roupa foi arrancada tão
Rápido quanto possível
E soldados arrombaram minha porta
Fui dominada e conquistada,
Fui vencida e os
Soldados de Tróia se instalaram em mim.

4 de mai de 2011

Alguma coisa entre pensamento e desabafo

Estou cansada.
Cansada das mesmas coisas todos os dias.
Tô tão cansada das mesmas ruas e as mesmas setas
que apontam para onde não quero ir.
Troquei uma rotina por outra igual,
qual é a vantage? Nem sei bem...
Cansei de acordar cedo todo dia e dormir pouco
E cada vez mais fugir de tudo.
Cansei da minha raiva e da minha ignorância,
da minha falta de talento e da falta de força de vontade também.
Me vendi para o primeiro número que cruzou a esquina
pus meus sonhos numa pasta de couro
e meus saltos para caminhar,
estranho como o final da estrada não chega nunca.
Estou cansada das minhas frustações com leite toda manhã,
Uma marmita fria cheia de angústias ao meio dia
e a noite como sozinha na multidão,choro.
E estranho, como o final da estrada, não chega nunca!