30 de out de 2007

Pueril

O peso do seu corpo contra o meu
Vencia qualquer resistência
Que pudesse apresentar
Contra o seu toque.
Uma prisão de toques.
Não lembro em quantas cores pintei,
Eu cerrava os olhos, abria os lábios,
Sua saliva misturada ao meu suor,
Uma mulher era uma menina...
Seu cheironão senti, talvez não quisesse,
Talvez sim...
Posso sentir seus beijos em meus pêlos
E aquela sensação de arrepio em minhas pernas...
Suas mãos rompendo meus limites.
Ainda sinto seu gosto, seu cheiro,
Cheiro de um menino que era homem
E quebrou as barreiras
E todos os limites
Tudo por um beijo
E me faltou ar por um gemido,

Que me arrancou da seriedade, a timidez
Eu estava louca, perdida...
Era pecado, a mordida na maçã
Era o peso do seu corpo
Era o meu delírio, foram seus lábios
Era pecado, mas não pude resistir,
Foi o seu beijo.
Linda e nua bem-te-vi
Esperando na cama pelo seu carinho.
Aqueles beijos que fazem meus poros arrepiarem.
Aquele toque em meus cabelos.
Os olhares que trocamos a meia-luz.
Vem meu bem-te-vi,
Vem se alimentar em meus lábios
Me toma em seus braços fortes
Me prendendo em seu laço, dominada.
Eu quero te contar meus segredos
Dizer no seu ouvido meus desejos e fantasias
E no teu colo morrer amando.
Senta aqui bem-te-vi,
Fica comigo, eu te abrigo em meu seio
Eu te protejo do frio
Sei que anda sozinho no vento,
Mas cheguei, vim cuidar de você
Ah meu amado
Como anseio sentir seu cheiro,
Sentir seu gosto
Ver nossa carne se misturando
Fazendo de dois corpos um corpo
De dois espíritos um espírito
E em teu seio desfalecer amando.